Recent Posts

Saiba tudo sobre a Conjuntivite

Aprenda os sintomas, o tratamento e como se prevenir da conjuntivite

Catarata

Saiba como é a cirurgia da catarata, quais os riscos e complicações

Ceratocone

Tudo sobre o tratamento do ceratocone. Anel de Ferrara, Crosslink de córnea, Lente de contato e até Transplante de Córnea

Você precisa de Óculos ?

Faça um teste online simples e rápido e descubra se você tem miopia, hipermetropia ou astigmatismo

Visite nossa seção de vídeos

Veja nosso vídeos sobre cirurgia de miopia, de catarata, de retina, de ceratocone e muito mais

10 mitos sobre cirurgia de miopia/astigmatismo

A cirurgia refrativa ou cirurgia para correção de miopia, astigmatismo ou hipermetropia é uma das cirurgias médicas mais realizadas em todo o mundo. A tecnologia envolvida nesses procedimentos é enorme. A industria investe muitos milhões de dólares em pesquisa e aperfeiçoamento dos aparelhos.
E isso tudo leva a índices de sucesso e segurança muito grandes



É claro que os casos que eventualmente não vão bem, acabam tendo maior repercussão na mídia do que os casos que vão bem. Quase nenhum paciente que tem uma cirurgia tranquila e saia enxergando bem vai na internet, num site, num jornal ou mesmo numa roda de amigos fazer o seu testemunho.
Mas um paciente que vai mal... Esse vai dar muita repercussão ao seu problema. Mesmo esse problema tendo solução.


Por isso nesse texto vamos tentar desmistificar um pouco esses problemas

Primeiro algumas estatísticas interessantes

  • Desde 1991 até 2016, mais de 40 milhões de cirurgia de LASIK foram realizadas em todo o mundo. Sem contar as cirurgias de PRK
  •  Anualmente, só nos EUA, são realizadas mais de 700 mil cirurgias. Na Europa, em 2015 foram quase 600 mil cirurgias refrativas. Na China, em 2012, o número estimado chega a quase 1 milhão de cirurgias por ano e com um potencial de crescer até 3 vezes esse número nos próximos anos
  • 95% dos pacientes estão satisfeitos com o seu resultado cirúrgico
  • Apenas 0,5% dos pacientes apresentam complicações graves
  • A cirurgia SMILE, que é uma técnica mais nova, já foi realizada mais de 1 milhão de vezes em todo o mundo


10 mitos ou dúvidas sobre cirurgias refrativas para miopia, astigmatismo ou hipermetropia


1. " A cirurgia não corrige astigmatismo"

Corrige sim, Tanto o Lasik, quanto o PRK e até mesmo a nova técnica chamada SMILE podem corrigir o astigmatismo com taxa de sucesso semelhante a miopia

2. "Leva muito tempo para eu voltar a trabalhar"

Isso não é bem verdade, Dependendo da técnica, especialmente no LASIK e no SMILE a recuperação é bem rápida e em 2 ou 3 dias já estão de volta a sua rotina enxergando muito bem. Os pacientes que fazem PRK, geralmente em 1 semana já voltam a trabalhar normalmente. Embora com a visão ainda um pouco embaçada.


3. "Eu estou muito velho para fazer cirurgia de miopia!"

Não existe um idade máxima para fazer cirurgia de correção de grau. Qualquer pessoa acima de 21 anos pode fazer cirurgia refrativa. Claro que para cada idade e dependendo do tipo de grau as técnicas vão ser diferentes e o resultado também. Mas todos podem fazer a cirurgia


4. "Usar lentes de contato é mais seguro do que operar?"

Na realidade os dados publicados até hoje dizem que o uso continuo de lentes de contato gelatinosas são tão ou até mais propensas a causar uma ifecção do que a cirurgia de LASIK

5. "Eu vou ficar acordada durante a cirurgia? Não posso dormir?"

Alguns pacientes até perguntam se não podem dormir e só acordar quando a cirurgia acaba. Mas se ela dormir, ela não vai podem colaborar com a cirurgia e fixar o olho no lugar certo. A cirurgia é tão rápida que nem vale a pena dar um anestesia desse tipo. Algumas vezes, até é dado um calmante para a pessoa relaxar. Mas dormir, não pode!

6. "Os pacientes não ficam satisfeitos com essa cirurgia"

De jeito nenhum. A taxa de satisfação com a cirurgia para correção de miopia varia entre 89 e 96%. Mais de 94% dos pacientes ficam com grau residual abaixo de 1 grau e não precisam mais usar óculos.

7. "A cirurgia dura para sempre"

Não, nem sempre. Eventualmente a pessoa vai precisar, com o passar dos anos, usar óculos, especialmente para perto (presbiopia). Mas o grau que foi corrigido, principalmente miopia e astigmatismo tendem a não voltar mais. Já para hipermetropia existe uma taxa de regressão do efeito da cirurgia que vai variar de acordo com o caso

8. "Tenho medo de ficar com olho seco, ou ter halos e glares após a cirurgia"

Embora isso seja um queixa importante e desconfortável, esses quadros não são comuns e geralmente resolvem espontaneamente nas primeiras semanas. Quase nunca duram mais do que 3 meses. Alguns exames do pré operatório podem ajudar a identificar os pacientes com mais risco a apresentar essas queixas.
Por outro lado, muitas pessoas banalizam a cirurgia. Acham que é só chegar, fazer uns exames, operar e sair andando. Não é assim também. É uma cirurgia! É no seu olho! Então faça um bom pré operatório e siga todas as recomendações do seu médico.
Para saber mais sobre Glare, halos etc, clique aqui

9. "Eu posso ficar cego fazendo essa cirurgia"

Poder até pode. Toda cirurgia oftalmológica pode causar cegueira. Mas na cirurgia de miopia (ou astigmatismo e hipermetropia) esse risco é muito, muito baixo. Quase zero. Na verdade, em termos estatísticos, o uso de lente de contato regularmente, traz tanto ou mais riscos à visão quanto uma cirurgia de correção de grau.

10. "O resultado é igual em qualquer clínica com qualquer médico"

Não confie a sua visão a qualquer pessoa. O sucesso da cirurgia depende tanto de um equipamento moderno, bom e bem calibrado quanto de um cirurgião experiente, bem formado e capaz de te passar segurança



E agora, o maior mito de todos:

"Oftalmologista não faz cirurgia refrativa em si mesmo!"
"Se cirurgia de miopia é tão bom porque os oftalmos ainda usam óculos? Porque eles não operam?"
"Médico tem medo de fazer cirurgia para não usar mais óculos"

Essas afirmações acima, a gente ouve com frequência nos consultórios e mais ainda na internet. E é uma tremenda mentira!

E aqui vão alguns dados que comprovam isso

➜ Um levantamento publicado em 2015 numa prestigiosa revista cientifica internacional mostrou que 60% dos cirurgiões oftalmológicos já tinham eles mesmo sido submetidos à cirurgia refrativa, E que 90% indicaram ou indicariam essa cirurgia para os seus parentes.
Isso é quase 5 vezes mais do que a frequência no restante da população. Nenhuma outra profissão realiza mais esse tipo de cirurgia do que os próprios oftalmologistas

➜ Outro levantamento mais antigo, de 2012, realizado pela ASCRS ( a sociedade americana dos cirurgiões oftalmológicos de cirurgia refrativa. A sociedade mais prestigiada do mundo nesse ramo) mostrou que:
25% dos cirurgiões oftalmologistas americanos já sofreram cirurgia para correção de grau.
25% realizaram a cirurgia nas suas esposas.
56% realizaram LASIK nos seus filhos. Isso também é um percentual muito acima da média da população

Isso por si só, já demonstra o quanto a cirurgia é boa e confiável.
Então, na próxima vez que pensar se a cirurgia de miopia, seja LASIK, PRK ou SMILE é uma cirurgia boa e segura, pense! Se o seu médico faria nele próprio ou num parente próximo, é porque a resposta é SIM!






Para saber mais sobre cirurgia refrativa e ajudar a definir qual técnica usar, leia o texto abaixo

Para saber mais sobre a cirurgia SMILE, a nova técnica de correção de miopia, leia:
http://www.medicodeolhos.com.br/2017/09/novas-tecnicas-de-cirurgia-para-miopia.html

Ainda com dúvidas sobre cirurgia refrativa? Aqui selecionamos as dúvidas mais comuns dos nosso leitores. Leia abaixo
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/11/duvidas-sobre-cirurgia-refrativa.html


8 sinais de problemas visuais nas crianças

A visão é o sentido responsável por 80% das informações que as crianças adquirem na escola. Uma criança com alguma deficiência visual não diagnosticada e tratada terá importante prejuízo no seu aprendizado. As vezes uma criança que está indo mal na escola, só está tendo esse problema porque não está enxergando bem. Como algumas crianças, especialmente as pequenas, podem não saber se queixar ou mesmo perceber que não estão enxergando bem, um exame oftalmológico periódico é importante. Principalmente se os pais têm história de serem míopes ou terem algum problema ocular na família, como glaucoma, ceratocone, diabetes etc.


É recomendado que toda criança no início da alfabetização, por volta dos 4, 5 ou 6 anos faça ao menos, 1 exame oftalmológico de rotina. Alguns colégios inclusive chegam a exigir que seus alunos façam um exame oftalmológico todo início de ano letivo.


 Sinais de alerta para os pais que a criança pode não estar enxergando bem


1 – Sentar muito próximo da TV ou trazer os livros muito perto do rosto na hora de ler

Quando a criança sente necessidade de sentar muito perto da TV na hora de ver desenhos ou traz um livro muito para perto do rosto, isso é um indicio que a criança possa estar apresentando miopia.
Vale lembrar que a tal questão de “sentar muito perto da TV faz mal para os olhos” é mito. Não existe comprovação cientifica.

2 – Coçar muito os olhos



Toda criança pequena coça os olhos quando está cansada, com sono. Isso é normal. Mas se seu filho, coça muito os olhos quando está brincando, ou coça os olhos quando está tentando enxergar alguma coisa, isso é sinal de pode ter algo errado. Pode ser que ele tenha algum grau de óculos e coce os olhos na tentativa de melhorar a visão.
A coceira ocular também é um sinal importante de alergia ocular
Além disso, o hábito de coçar os olhos não é saudável e pode, em pessoas pré-dispostas, desencadear Ceratocone

3 – Pular a linha quando está lendo um texto

Crianças que precisam usar o dedo ou um objeto para ajuda-los a seguir a linha do texto, ou que pulam a linha, ou voltam para a mesma linha quando estão lendo podem estar com algum problema visual. Pode ser falta de óculos ou insuficiência de convergência. Às vezes, é necessário realizar um tratamento chamado ortoptica.

4 – Sensibilidade exagerada à luz e/ou lacrimejamento exagerado

Crianças que são muito sensíveis a claridade (fotofobia), principalmente em ambientes internos ou em situações em que as outras pessoas não estão incomodadas podem estar com algum problema ocular.
O lacrimejamento excessivo é um reflexo a essa fotofobia e também deve ser um sinal de alerta aos pais

5 – Fechar um dos olhos quando vai ler ou ver TV




Esse é um sinal de que a visão de um dos olhos não está boa (ai a criança fecha esse olho para manter o foco só com o outro) ou ele tem problema na visão binocular (i.e., com os 2 olhos abertos). A criança pode ter um grau muito diferente de um olho para o outro ou apresentar insuficiência de convergência por exemplo.

6 – Notas ruins na escola sem nenhum motivo aparente

Algumas crianças não conseguem perceber ou dizer que estão com dificuldade para enxergar. Aí começam a ter dificuldade para enxergar o quadro escolar e acompanhar a matéria da escola e passam a tirar notas baixas. Algumas crianças taxadas de “burras” na escola apresentam apenas uma dificuldade para enxergar e com um simples óculos conseguem uma boa melhora do seu rendimento escolar.

7 – Queixas constantes de dor de cabeça

Crianças que reclamam com frequência de cefaleia (dor de cabeça) após uso de computador ou vídeo game, ou da leitura de um livro, ou mesmo no fim do horário da escola podem estar necessitando usar óculos.

8 – Inclinar a cabeça para o lado para enxergar melhor o quadro negro na escola


Algumas crianças inclinam sem perceber a cabeça para o lado para enxergar melhor. Isso se chama de “posição viciosa da cabeça”. Essa condição as vezes é mais facilmente percebida pelos professores na sala de aula. Isso pode melhorar se a criança sentar mais perto do quadro, mas um exame oftalmológico é muito importante pois alguns tipos de estrabismo (desvio ocular) podem causar essa posição inclinada da cabeça


Lembre-se: Toda criança deve fazer um exame oftalmológico em torno dos 6 meses de vida, outro em torno dos 3 anos e mais um antes de iniciar a alfabetização. A partir daí, dependendo de cada caso, pode ser necessário e recomendado pelo menos 1 exame anual. Se a criança já faz uso de óculos esse exame anual é obrigatório!


Se seu filho tem muita coceira nos olhos ou é muito alérgico, saiba mais sobre como tratar a alergia ocular, lendo o texto abaixo


Se seu filho é míope, saiba que é possível evitar que a miopia aumente demais. Leia o texto abaixo e descubra como


Sobre ceratocone, temos muitos textos nesse site sobre esse assunto. Comece pelo abaixo




A visão do bebê mês a mês

O desenvolvimento da visão do bebê durante os primeiros meses de vida




Você sabia que a visão dos bebês não é tão nítida quanto a dos adultos? 
Ao longo do primeiro ano de vida a visão dos bebês muda muito e os pais podem ajudar os seus filhos a se tornarem adultos com uma ótima visão.
Nesse texto, vamos explicar passo a passo como esse desenvolvimento da visão dos bebês ocorre.

O sistema visual dos humanos começa a se desenvolver ainda durante a gestação mas não está totalmente completa quando a criança nasce.  Ele continua a desenvolver durante os primeiros meses de vida. A criança precisa receber um bom estímulo visual para que a sua visão se desenvolva de forma plena.  
A primeira visão dos bebês é muito embaçada. Eles não veem muito detalhes e enxergam em tons de cinza. Com o passar dos meses o sistema visual (que engloba os olhos, o nervo óptico e o cérebro) vai se desenvolvendo e atingindo uma visão mais parecida com a de um adulto
É importante que os pais conheçam os marcos do desenvolvimento visual das crianças e saibam reconhecer algum sinal de problema visual e assim recorrer a um oftalmologista.

Saiba agora passo a passo como se desenvolve a visão do bebê durante as fases da vida


Durante a gravidez

O desenvolvimento visual dos bebês começa ainda dentro do útero. Portanto uma alimentação saudável da mãe durante a gestação, com o uso eventual de suplementos vitamínicos que o obstetra possa passar é importante. Evitar o uso de álcool e de cigarros e fazer os exames pré-natais são fundamentais para que o seu bebê nasça com uma visão saudável.

A visão do bebê logo após o nascimento

Logo após o parto, o pediatra ainda na maternidade fará o teste do olhinho. Esse exame é obrigatório em quase todos os estados do Brasil e é importante para fazer o diagnóstico precoce de doenças como catarata congênita, glaucoma congênito, retinoblastoma entre outras.
Nessa idade a visão do bebê recém-nascido é muito turva e ele não é capaz de distinguir cores. Apenas nuances de cinza. Eles também não conseguem focar em algum objeto. No entanto, em poucos dias o bebê já consegue distinguir o rosto da mãe do rosto de outras pessoas. Mas como ele só percebe grandes contrastes, sem perceber pequenos detalhes é importante que a mãe não mude seu visual, não corte o cabelo, mantenha sempre o mesmo penteado etc. Isso vai facilitar a criança a reconhecer que aquele rosto é o da sua mãe.

A visão do bebê no primeiro mês de vida

A sensibilidade de um recém-nascido à luz é muito baixa. Por isso os pais não precisam ficar preocupados de deixar a luz do quarto acesa ou algum abajur ligado pois isso não irá atrapalhar o sono do bebê.
Com 1 semana de vida a criança já começa a perceber as cores. Inicialmente começa pelas cores vermelha, laranja, amarela e verde. Mais tarde ela passa a perceber também o azul e o violeta.
Nessa idade é normal as vezes a criança ficar estrábica (vesga). Um dos olhos pode desviar para dentro ou para fora. Isso é eventual e rápido. E é normal. Mas se você notar que esse desvio é muito grande e constante (o tempo todo) uma consulta com oftalmologista é fundamental
Para estimular a visão do seu filho nessa idade decore o quarto e o berço com objetos de cores fortes e de vários formatos.

A visão do bebê no 2º e 3º meses de vida

Nessa fase a visão se desenvolve muito rápido. Os bebês já vão começar a ter uma visão mais nítida. Vão começar a seguir os objetos com os olhos. Inclusive vão aprender a mudar o olhar de um objeto para outro sem virar a cabeça. Os desvios (estrabismo) vão ser cada vez mais raros.
Ele estará também mais sensível a claridade e então já é interessante reduzir a luz do quarto para ajudá-lo a dormir e a reconhecer a diferença do dia para a noite.
Para estimular a visão nessa fase, continue colocando itens coloridos e variados no quarto. Mude os objetos de posição para forçar ele a segui-lo com os olhos. Quando ele estiver acordado e supervisionado por um adulto, coloque-o deitado de barriga para baixo. Ele irá levantar o pescoço para olhar para a frente. Isso é um estimulo importante para o seu desenvolvimento motor e visual.

A visão do bebê entre o 4º e 6º mês de vida

A visão da criança está cada vez mais nítida. Os olhos se movem mais rápidos e de forma mais precisa. A visão que era de 20/400 (10% de eficiência visual) ao nascimento agora é de 20/25 (95% de eficiência visual) com 6 meses. A visão de cores é quase igual a de um adulto.

Essa é a recomendação da academia americana de oftalmologia

A visão do bebê entre o 7º e o 12º mês de vida

Nessa idade os bebês conseguem coordenar melhor os olhos com as mãos. Já começam a engatinhar, pegar objetos, colocar coisas na boca e já tem melhor noção de profundidade.
São também mais propensos a pequenos acidentes domésticos e inclusive com risco de enfiar algum objeto no olho e ter graves consequências. Esteja atento.

Atenção com o Estrabismo

Estrabismo é o termo correto para “vesgo”. Ou seja, quando os olhos não se movem juntos de um lado para o outro. Como dissemos anteriormente, é normal um bebê pequeno, principalmente antes dos 3 meses, ficar em alguns momentos, um pouco estrábico. No entanto, se esse desvio for grande e for constante é fundamental procurar um oftalmologista o mais rápido possível. Se o estrabismo não for tratado logo, a criança corre o risco de desenvolver AMBLIOPIA (ou olho preguiçoso) que é uma condição que causa baixa visão e é irreversível

Doenças oculares em crianças prematuras

Crianças nascidas com menos de 37 semanas são consideradas prematuras. E esses bebês prematuros são mais propensos a terem problemas visuais. Quanto mais prematuro mais chance.

- Retinopatia da prematuridade (ROP): Nessa doença o tecido retiniano sofre crescimento anormal dos vasos sanguíneos, fibrose e cicatrização. Pode ocorrer até descolamento de retina. Casos mais graves podem causar cegueira. Crianças muito prematuras, com baixo peso e que receberam oxigênio suplementar na maternidade tem risco maior de desenvolver ROP.


- Nistagmo: Nistagmo é um movimento involuntário e constante dos olhos de um lado para o outro (pode ser também de cima par baixo ou rotacional). Pode estar presente desde o nascimento ou só aparecer algumas semanas depois. O nistagmo ocorre porque há algum problema no desenvolvimento do sistema visual. O exame com o oftalmologista deve ser feito assim que o nistagmo é percebido.

DICAS

- Muitos bebês nascem com os olhos claros mas depois de alguns meses, ele escurecem. Isso ocorre porque nos primeiros dias existe pouca melanina (pigmento que dá a cor) na íris. Mas ao longo do tempo aumenta a quantidade de melanina na íris e o olho adquire a cor definitiva. Para saber a chance do seu filho ter olhos claros ou escuros, leia o texto abaixo

- Não deixe o bebê passar muitas horas na frente da TV. Mesmo que seja vendo os tais vídeos educativos. A criança precisa de diferentes estímulos para se desenvolver, não só da TV. O brilho da tela da TV é muito intenso e vai fazer a criança não prestar atenção nos outros objetos do ambiente e nas pessoas também. 

- Não deixe seu filho (criança ou adolescente)  passar muitas horas na frente do celular, do tablet ou do computador. Isso pode ser um estímulo a ele desenvolver miopia. 



Controle da Miopia - Como evitar que a Miopia aumente

Miopia é uma epidemia mundial. O número de pessoas míopes tem aumentado assustadoramente nos últimos anos. E algumas projeções (do Brien Holden Vision Institute em Sydney, Australia) dizem que em 2050, metade da população mundial será míope. Isso mesmo, 1 a cada 2 pessoas terá miopia. No ano 2000, esse índice era de 23%.
Em alguns países, especialmente da Ásia, essa taxa é ainda maior, chegando até a 80%.

Incidência de miopia em crianças de 12 anos:
- Singapura 62%
- China 49%
- EUA 20%
- India 10%
Isso, em crianças de 12 anos! Essa incidência ainda piora em relação aos 18 anos

Os fatores que são culpados por aumentar o número de míopes são:
- Uso em excesso da visão de perto, especialmente com aparelhos eletrônicos, incluindo telefones celulares e smartphones
- Muitas horas por dia realizando atividades “indoor”, ou dentro de casa ou escola. Pouco tempo dedicado as atividades ao ar livre



Porque o meu filho é míope?

Existe um fator hereditário sim. Crianças que tem o pai e a mãe míopes tem mais chance de ser míope também. Isso é mais relevante em casos de alta miopia. Graus acima de 5 ou 6 de miopia.
No entanto, a maioria dos casos de miopia não tem um fundo genético. Simplesmente acontecem mesmo que não tenha casos de miopia nos pais.
Os fatores já mencionados acima podem explicar a miopia do seu filho.

O que é Miopia?

Miopia é a dificuldade para enxergar de longe. Acontece porque o olho fica maior do que deveria e a imagem é focalizada antes da retina. Para saber mais sobre isso, leia o texto abaixo




Existe algum problema de ser míope?

Em geral não. Apenas o fato de ter que usar óculos ou lente de contato. Entretanto os pacientes com miopia moderada (entre 3 e 6 graus) e miopia alta (acima de 6) tem um risco maior de desenvolver descolamento de retina e glaucoma. Também costumam a apresentar catarata mais cedo.
Além disso graus muito altos de miopia podem ser difíceis de serem operados. Uma miopia baixa ou moderada tem resultados melhores com a cirurgia de miopia.




  
A boa notícia é que nós temos como tentar evitar que nossas crianças se tornem adultos míopes.

Além de tentar evitar os fatores de risco citados acima, mudando o estilo de vida das crianças, algumas medidas conseguiram mostrar um benefício em reduzir ou ao menos diminuir a velocidade de aumento da miopia

Nos últimos anos, alguns estudos científicos conseguiram identificar alguns tratamentos que podem frear ou até mesmo impedir o aumento da miopia.
É isso que nós vamos chamar de “controle da miopia”
Embora não seja possível “curar” a miopia fazendo a criança deixar de ser míope, é possível fazer a miopia não aumentar ou ao menos aumentar de forma menos rápida. Existe uma tendência natural da miopia aumentar na adolescência. E é isso que tentamos evitar.

Os métodos disponíveis hoje em dia para controle da miopia são:

- Uso de colírios de atropina
- Lente de contato multifocais
- Óculos multifocais
- Ortoceratologia

1) Uso do colírio de atropina para controle da miopia

O colírio de atropina já tem sido usado por muitos anos na tentativa de diminuir a progressão da miopia. No entanto esse medicamento tem alguns efeitos colaterais.
A atropina provoca dilatação da pupila e relaxa o mecanismo de “foco” do olho. Com isso ele atrapalha a visão de perto. O efeito da atropina pode durar muitas horas, normalmente mais de 1 dia. E por isso esses colírios não são usados normalmente pelos oftalmologistas para fazer o exame de vista e fundo de olho. Nesses casos são usados colírios que também dilatam a pupila mas que o efeito passa mais rápido.
Atualmente os colírios de atropina são utilizados para aliviar a dor ocular em algumas doenças oculares mais especificas
Ao longo dos anos, alguns estudos (inclusive alguns feitos no Brasil) mostraram que a atropina é capaz de frear a progressão da miopia em quase 80% dos pacientes. No entanto, a dose utilizada (atropina 0,01%) é bem inferior ao do colírio vendido comercialmente. Esse colírio então deve ser feito em farmácias especializadas em manipulação de colírios e SOMENTE sob orientação de um oftalmologista. Nunca use essa medicação sem orientação médica
Recentemente o Conselho Federal de Medicina emitiu parecer favorável ao uso do colírio de atropina 0,1% no controle da progressão da miopia em crianças.
Mesmo em dose mais baixa do que a usualmente usada, esse colírio de atropina ainda pode ter alguns efeitos colaterais, como fotofobia, dor de cabeça e dificuldade para ler de perto. Mas é raro e todos esses possíveis efeitos colaterais somem após parar o uso do medicamento.
Atualmente, o uso de colírios de atropina a 0,01% é a melhor opção de tratamento para evitar a progressão da miopia

2) Uso de lentes de contato multifocais

Lentes de contato multifocais são lentes de contato que corrigem a visão de longe, no caso a miopia, além de terem um grau adicional para melhorar a visão de curta distância. Essas lentes são usadas normalmente para pessoas com mais de 40 anos que sofrem de miopia e presbiopia (a vista cansada de perto).
No entanto, pesquisadores nos EUA e na China, mostraram que crianças que usaram essas lentes multifocais tiveram 50% a menos de chance de terem aumento da miopia em relação as crianças que só usaram óculos ou lente para miopia.
No entanto, os pesquisadores ressaltam que é necessário mais estudos, envolvendo mais crianças para mostrar realmente que esse tratamento é seguro e funciona.


3) Uso de óculos multifocais

O uso de óculos multifocais para controle da miopia não tem mostrado resultados tão bons quanto o uso das lentes de contato multifocais. Na verdade, alguns estudos mostraram que esse tratamento não foi eficaz em reduzir o aumento da miopia em crianças e adolescentes.
Em 2003 foi publicado um grande estudo internacional que mostrou que o uso de óculos multifocais reduziu muito pouco a miopia em crianças quando comparado com quem usou óculos comum.
Um estudo mais recente, publicado em 2014 já mostrou que houve melhora sim da miopia nas crianças que usaram óculos bifocais em relação a quem só usou óculos comum de miopia. Desse modo, a prescrição de óculos bifocais ou multifocais para crianças com o objetivo de evitar o aumento da miopia ainda é muito controverso e só deve ser feito sob orientação expressa de um médico oftalmologista

4) Ortoceratologia

A ortoceratologia é um tratamento em que a pessoa usa lentes de contato gás permeáveis especiais durante a noite. O paciente dorme com essa lente e isso modifica a forma da córnea temporariamente. Fazem um remodelamento da córnea. Assim, quando a pessoa acorda ela consegue ficar sem óculos ou lentes de contato durante o dia, enxergando com nitidez. Atenção: Esse tratamento não é feito com as lentes de contato usuais. São lentes de contato especificas para ortoceratologia. Não durma com as suas lentes esperando acordar enxergando bem pois isso não vai funcionar e pode te trazer problemas.
Mas voltando ao assunto desse texto. Algumas pesquisas conduzidas no Japão, em Hong Kong e na Espanha, mostraram que a ortoceratologia foi capaz de reduzir o aumento da miopia em crianças e adolescentes.
O grande problema desse tratamento é o risco de infecção que é relativamente alto

Por estudos mais recentes podemos simplificar as opções para controle da miopia da seguinte forma:

 O que comprovadamente NÃO funciona

- Prescrever óculos com grau de miopia mais fraco do que a criança tem

O que provavelmente NÃO funciona

- Oculos bifocais, multifocais ou lentes de contato

O que provavelmente funciona

- Ortoceratologia

O que realmente funciona
- colírio de atropina
- aumento das atividades outdoor (ao ar livre). Crianças que fazem esporte tem menos miopia
- exposição ao sol

Em quais casos esses tratamentos funcionam para controlar a miopia?

Quando mais cedo começar o tratamento melhor. Em crianças e adolescentes está comprovado o sucesso do tratamento. Mas em adolescentes mais velhos e adultos o efeito já não existe.
Logo, o mais importante é detectar a miopia cedo. Mesmo crianças que não reclamam de dificuldade visual devem ser examinadas por um oftalmologista pois as vezes a criança não sabe dizer ou não percebe a dificuldade e só no exame é detectado um grau de miopia

Existem exercícios que reduzem ou curam a miopia?

Não. A resposta é bem simples. Não. Na internet muitos sites preconizam e vendem esses exercícios que dizem curar ou reduzir a miopia e prometem até que a pessoa vai abandonar os óculos. Não se iludam. Isso não funciona. Não tem nenhum estudo cientifico, por mais simples que seja, que mostre algum resultado desses tratamentos.

Qual desses tratamentos é o melhor para controlar a miopia?

Todos os tratamentos podem ser eficazes e o oftalmologista vai saber indicar qual o melhor para cada caso. Muitas vezes é possível combinar mais de um tratamento. Por exemplo, usar o colírio de atropina 0,01% e usar lentes de contato multifocais ou mesmo ortoceratologia.
Esses tratamentos NUNCA devem ser feitos SEM orientação de um médico oftalmologista. Quando mal-empregados eles podem trazer prejuízos a visão da criança

EM RESUMO:

Para evitar que uma criança desenvolva miopia ou tenha um aumento rápido do grau de miopia durante a infância ou adolescência devemos fazer:
 - Limitar e reduzir o número de horas por dia que a criança usa aparelhos eletrônicos, principalmente smartphones, celulares, laptops, videogames etc.
- Fazer atividades ao ar livre. Evitar ficar muitas horas em locais internos sem exposição a luz do dia.
- Procurar um oftalmologista e ver se alguns dos tratamentos citados acima pode ser usado no seu caso.

Lembrando que a cirurgia para correção de miopia só deve ser feita a partir dos 18 anos, as vezes só depois dos 21 anos. Para saber mais sobre esse tipo de cirurgia leia o texto abaixo:

Quer usar lente de contato ao invés de óculos? Leia tudo sobre lente de contato para miopia


SMILE - Novas técnicas de cirurgia para Miopia

Sim, existe uma nova técnica de cirurgia de Miopia. E ela se chama SMILE.



Mais da metade da população mundial depende de óculos ou lentes de contato para enxergar. Mas muitos sentem que essa dependência interfere ou atrapalha nas suas atividades de trabalho ou lazer.
Ser capaz de enxergar perfeitamente sem o auxilio de óculos ou lente de contato é um desejo e um sonho para muitas pessoas.
A cirurgia refrativa é a cirurgia oftalmológica capaz de realizar o sonho de enxergar bem sem precisar de óculos
Já falamos muito nesse Blog sobre as cirurgias de PRK e Lasik. 
Hoje iremos falar também da nova técnica de cirurgia para correção de miopia e astigmatismo. É a cirurgia ReLEx SMILE, ou simplesmente, SMILE (Small Incision Lenticule Extraction)




Uma vida sem óculos

As técnicas para correção de miopia surgiram na década de 80. O principio básico por trás de todos os métodos de correção refrativa a laser é remodelar a camada externa da córnea (mudando a espessura e o formato) para que o ponto focal dos raios de luz caiam exatamente na retina e não na frente (como ocorre na miopia) ou atrás dela (hipermetropia)
O laser utilizado para essa correção chama-se excimer laser
Os métodos originais de tratamento (PRK ou Lasek) removem manualmente a camada mais externa da córnea, chamada epitélio. O laser então é aplicado e ao longo das semanas esse epitélio se refaz. A recuperação é em geral lenta e um pouco desconfortável.

Surgiu então a técnica chamada LASIK. Nessa cirurgia, um aparelho chamado microceratomo (semelhante a uma lamina de bisturi) cria um flap na córnea (uma camada circular e superficial da córnea de 270 graus). O excimer laser então é aplicado na camada da córnea abaixo desse flap e o mesmo é reposicionado sobre a córnea. Embora traga mais conforto e uma recuperação visual mais rápida do que a técnica PRK, o lasik traz mais riscos pois pode haver problemas na confecção desse flap durante a cirurgia ou, meses ou até anos após a cirurgia, ocorrer um deslocamento ou rasgo desse flap após algum trauma no olho. Atualmente, o flap pode ser feito com o auxílio de outro tipo de laser, o femtolaser. E depois do flap feito, usa-se o mesmo excimer laser para corrigir o grau. A cirurgia passa a se chamar então FemtoLasik.

O principio do ReLEx Smile é diferente. Ele não envolve o excimer laser. O laser de femtossegundo de alta precisão do aparelho Visumax, fabricado pela Zeiss, cria uma lente muito pequena chamada lentícula, na parte mais interna da córnea. O tamanho e forma dessa lentícula vai variar de acordo com o grau a ser corrigido. Então, através de uma incisão muito pequena, o cirurgião remove essa lenticula da córnea. Dessa maneira, a forma da córnea será alterada, corrigindo o erro refracional do paciente. Não há criação de flap, a área de incisão é muito pequena e as camadas mais externas da córnea permanecem praticamente intactas. É um método minimamente invasivo, preciso e conveniente.



Vantagens da cirurgia de miopia pela técnica SMILE

- cirurgia minimamente invasiva (corte 80%0 menor do que o Lasik)



- preservação quase completa das camadas mais externas da córnea (epitélio e membrana de bowman) o que minimiza o desconforto logo após a cirurgia e possibilita rápida recuperação visual

- menos chance de desenvolver olho seco no pós operatório pois os nervos que regulam a produção da lágrima não são afetados pela cirurgia (como ocorre principalmente no Lasik mas também no PRK)

- O laser de femtossegundo faz o tratamento na parte interna da córnea, não sendo influenciado por condições ambientais da sala cirúrgica (umidade, temperatura) nem por hidratação da córnea.

- Resultados muito previsíveis com alto grau de precisão na correção do grau

- correção 100% a laser num único estágio de cirurgia.

Risco de desenvolver Ectasia de Córnea (ceratocone) após cirurgia refrativa

- A cirurgia SMILE remove parte das camadas mais internas da córnea, ao contrário da cirurgia de PRK e LASIK que afetam as camadas mais externas da córnea. As camadas mais externas são as principais camadas de estrutura e sustentação da córnea. Desse modo, preservando essas camadas, a cirurgia de SMILE da Zeiss diminui o risco de perda da arquitetura normal da córnea e o desenvolvimento de uma doença chamada ectasia pós LASIK, que é um tipo de Ceratocone. O desenvolvimento dessa ectasia pós cirurgia refrativa é a complicação mais grave e mais temida da cirurgia para correção de grau. A nova técnica de cirurgia refrativa, ReLex SMILE tem um benefício teórico (ainda carece de mais estudos científicos) de causar menos risco de ectasia do que o LASIK e o PRK



A cirurgia SMILE é muito nova ou já é uma cirurgia considerada segura e bem estudada?

R: A cirurgia de extração de lenticula refrativa (SMILE)  tem sido realizada desde 2006, portanto há mais de 10 anos. Os resultados da técnica SMILE já são comprovadamente seguros e eficazes, de acordo com diversos estudos internacionais, atingindo um nível de excelência e já é utilizada em mais de 60 países.

O SMILE começou a ser realizado no Brasil em 2012, com crescente aceitação dos cirurgiões.
Ele possui registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária Brasileira, pelo FDA (EUA) e pelo Conselho Europeu. Atualmente, quase um milhão de cirurgias com essa técnica  já foi realizada pelo mundo e os resultados apontam níveis elevados de segurança, conforto e eficiência.


Para quais tipos de grau a cirurgia de SMILE está indicada?

R: Atualmente, a cirurgia de ReLEx Smile está indicada para miopia de até 10 graus e astigmatismo de até 5 graus. Para hipermetropia, a cirurgia ainda não está indicada mas pesquisas estão sendo feitas e a expectativa é que seja autorizada nos próximos anos.

Como posso saber se sou um bom candidato a cirurgia de ReLEx SMILE?

R: Como toda cirurgia para correção visual você vai precisar de um exame ocular detalhado. Especificamente para avaliar a córnea, medindo a espessura e a curvatura. Será preciso medir bem o seu grau, com e sem dilatação da pupila. Então seu médico juntará os dados e dirá se você é um bom candidato ou não

Depois do ReLEx SMILE, em quanto tempo eu volto a enxergar bem e a voltar as minhas atividades normais?

R: Cada paciente cicatriza de uma maneira diferente. Mas na maioria dos casos, após 1 ou 2 dias a visão já está muito boa e vai se estabilizar em torno de 2 ou 3 semanas. Para comparar, no PRK a recuperação visual total pode levar até 2 meses.
O paciente pode retomar suas atividades normais como dirigir, trabalhar, ver TV e computador apenas alguns dias depois do tratamento. É bem rápido

Quais os riscos dessa nova cirurgia refrativa, chamada SMILE?

Como toda cirurgia médica a técnica SMILE não é isenta de riscos. Por ser uma técnica nova e realizada há relativamente poucos anos, algumas complicações não são bem conhecidas e podem aparecer só daqui há alguns anos.
Durante a cirurgia, pode ser difícil retirar a lenticula por inteiro. Nesse caso, pode sobrar algum tipo de grau e ser necessário complementar com o excimer laser (PRK p.ex.).

Caso o paciente se mexa muito durante o exame, o laser que cria a lenticula pode não ser completado. Ai a cirurgia deverá ser abortada e refeita após algumas semanas.



Para saber mais sobre as técnicas de PRK e LASIK e as diferenças entre elas, leia o texto abaixo