Recent Posts

Saiba tudo sobre a Conjuntivite

Aprenda os sintomas, o tratamento e como se prevenir da conjuntivite

Catarata

Saiba como é a cirurgia da catarata, quais os riscos e complicações

Ceratocone

Tudo sobre o tratamento do ceratocone. Anel de Ferrara, Crosslink de córnea, Lente de contato e até Transplante de Córnea

Você precisa de Óculos ?

Faça um teste online simples e rápido e descubra se você tem miopia, hipermetropia ou astigmatismo

Visite nossa seção de vídeos

Veja nosso vídeos sobre cirurgia de miopia, de catarata, de retina, de ceratocone e muito mais

segunda-feira, 29 de abril de 2013

10 dicas para evitar a Alergia Ocular

A alergia ocular é a principal causa de coceira nos olhos

Apesar de causar muito incomodo é fácil evitar as crises de alergia ocular
Abaixo, selecionamos algumas dicas:

1 - Mantenha a casa e o local de trabalho sempre limpos. Evite acúmulos de poeira



2 - Na hora da limpeza, evite vassouras e espanadores. Utilize panos úmidos para retirar a poeira ou aspiradores de pó com filtro HEPA




3 - Mantenha os ambientes arejados, ensolarados e com livre circulação de ar. Na poeira e em ambiente úmidos é onde se proliferam os ácaros, que são os grandes vilões da alergia.
Os ácaros são grandes causadores de alergia

4 - Evite ter em casa objetos que acumulam poeira, como tapetes, bichos de pelúcia, cortinas de pano. 



5 - Sempre que possível coloque as roupas de cama para tomar sol e encape os travesseiros e os colchões  com tecidos anti-ácaro ou de algodão. Lave as roupas de cama com água quente para matar os ácaros



6 - Roupas guardadas há muito tempo (principalmente as roupas de inverno) devem ser lavadas antes de usar. As toalhas de banho devem secar ao sol diariamente.



7 - Evite ter em casa flores e animais domésticos ou dê preferência a animais que soltem pouco pelo e tenham pelo curto
Evite cães muito peludos

8 - Livros antigos, documentos antigos, objetos guardados há muito tempo ... tudo isso acumula muita poeira. Evite-os


9 - Mantenha o filtro do ar condicionado sempre limpo


10 - E o mais importante: EVITE COÇAR OS OLHOS. Quanto mais você coçar, mais coceira vai ter, causando um ciclo vicioso. Faça compressas geladas e use os colírios lubrificantes. Além é claro dos colírios específicos para alergia ocular.

coceira nos olhos
Eivte coçar os olhos !

Curiosidade:
Sabia que após 6 anos de uso da mesma almofada, 10% de seu peso é constituído por ácaros e fezes de ácaro? É melhor troca-la não?

Para saber como tratar a alergia ocular leia o texto abaixo



Para saber mais sobre a conjuntivite alérgica leia o texto a seguir



sábado, 9 de junho de 2012

Alergia Ocular - Como tratar

coceira nos olhos, alergia ocular

A Alergia Ocular é a principal causa de coceira nos olhos.
As pessoas que costumam ter alergia, como rinite, bronquite ou sinusite, costumam também ter coceira nos olhos devido a alergia. E outras pessoas apresentam somente alergia nos olhos e não em outras partes do corpo.
Embora na maioria das vezes a coceira nos olhos seja leve, em outras vezes, ela pode ser muito intensa, apresentar sintomas parecidos com conjuntivite infecciosa (vermelhidão, ardência, secreção, inchaço das pálpebras etc..) e até causar lesões na córnea que atrapalham a visão.

Qual o objetivo do tratamento da alergia ocular ?

- Diminuir os sintomas, principalmente a coceira
- Diminuir o número de crises ao longo do ano
- Evitar sequelas visuais decorrentes da alergia ocular crônica e severa

Quais são os tratamentos para a Alergia Ocular ?

O mais importante é evitar o contato com o alérgeno. Alérgeno é aquilo que causa a alergia, ou seja, poeira, ácaro, pólen, pelo de animais ....
Para isso é fundamental o controle do ambiente. As medidas abaixo são muito importante e devem ser feitas na casa de pessoas que sofrem com alergia constantemente


- Evitar tapetes, cortinas (preferir persianas por exemplo), bichos de pelúcia ou outros objetos que acumulem poeira
- Arejar a casa e deixar o sol entrar
- Lavar as roupas que estiverem guardadas no armário por muito tempo, antes de usa-las
- Evitar varrer a casa, levantando a poeira (ou fazer quando a pessoa alérgica não estiver em casa). Preferir passar um pano úmido.

Alguns exames podem tentar identificar a causa da alergia. Nesses exames, partículas de diferentes alérgenos são colocadas sobre a pele da pessoa e depois de algum tempo, verifica-se a qual substância a pessoa teve alergia (intradermo reação, prick test, patch test). Existem também os testes sanguíneos especificos para cada causa de alergia (p.ex. rast, mast, eliza).
Com isso é mais fácil combater a exposição a esse alérgeno.
Teste cutâneo para alergia
O uso frequente de lentes de contato gelatinosas também pode causar um tipo de alergia ocular. Nesse caso é necessário interromper o uso das lentes enquanto faz-se o tratamento com colírios. As lentes de contato rígidas podem causar uma conjuntivite papilar gigante que é um tipo diferente de alergia. O tratamento segue a mesma linha dos outros tipos de alergia.

Tratamento da alergia ocular com colírios

- Colírios lubrificantes: Esse colírios além de proporcionarem um alívio discreto na coceira também "lavam"  o olho, retirando a partícula do alérgeno que pode estar ali em contato com a superfície ocular. Podem ser usados na temperatura ambiente ou gelados (colocar na geladeira por alguns minutos). Compressas de água gelada também aliviam a coceira.

- Colírios antihistamínicos: Esses colírios diminuim a liberação e a ação de uma substância chamada histamina. Essa substância é responsável pela coceira. Ou seja, esses colírios apenas combatem a coceira mas não afetam a alergia em si. Um exemplo desse colírio é o Emadine  (emestadina 0,05%) que foi retirado de mercado há alguns anos. Hoje em dia no Brasil não existem mais colírios que sejam apenas anti-histamínicos 

- Colírios estabilizadores da membrana de mastócitos: Esses medicamentos interrompem a cascata da alergia, ao interferirem nas células responsáveis pela alergia que são os mastócitos (ou eosinófilos). Com isso eles ajudam a acabar com a alergia. No entanto eles demoram a começar a agir e quase não agem sobre a coceira. São exemplos desses colírios o Cromoglicato de Sódio (Cromolerg, Maxicrom)

Colírios dupla ação (antihistamínicos e estabilizadores da membrana de mastócitos): Esses são os principais colírios usados atualmente para combatem a alergia ocular. Além de diminuírem a coceira (efeito anti-histamínico) também interrompem o processo da alergia (efeito nos mastócitos) . Como exemplo podemos citar: Cetotifeno (Zaditen, Cetotifen), Olopatadina (Patanol e Patanol S), Epinastina (Relestat) e o recém lançado, Alcaftadina (Lastacaft)
colirio para coceira nos olhos
Colírios para alergia ocular

- Colírios de corticóides (cortisona): Em casos de alergia mais graves, com comprometimento da córnea e ameaça à visão (úlcera em escudo p.ex.), os oftalmologistas podem receitar colírios de corticóides. Eles agem rápido e de forma intensa sobre a alergia. Nesse caso, procura-se utilizar corticóides mais fracos e por pouco tempo, a fim de evitar os possíveis efeitos colaterais desses medicamentos. O paciente com alergia não deve usar esses colírios sem autorização e sem avisar ao seu médico.

- Colírios imunomoduladores: Em casos graves de alergia ocular, aonde é necessário usar os corticoides  com frequencia, o médico pode lançar mão desse tipo de medicamento. Eles ajudam a controlar a alergia e não tem tantos efeitos colaterais quanto os corticóides. São exemplos a Ciclosporina na forma de colírio (Restasis) e o Tacrolimus na forma de colírio ou pomada oftálmica.

Cirurgia para alergia ocular

Embora não exista uma cirurgia específica para casos de alergia ocular, quando a pessoa apresenta o que chamamos de "papilas gigantes" e não está tendo bom controle com o tratamento clínico, pode ser feita a remoção cirurgica dessas papilas. No entanto, além de ser tecnicamente difícil, algumas vezes as papilas gigantes podem voltar.
alergia ocular
Olho com alergia mas com papilas normais
alergia ocular
Olho com alergia e com papilas gigantes


Tratamento Sistêmico

Nos pacientes com alergia sistêmica (ou seja, em outras partes do corpo como nariz, garganta, pulmões, pele etc) é fundamental o acompanhamento do médico alergista. 
As vacinas anti-alérgicas ou vacinas para alergia podem ser ótimas opções na busca pela cura da alergia. Elas tentam desensibilizar o organismo as substâncias que causam a alergia, ou seja, fazer com que a pessoa, deixe de ser alérgica à poeira por exemplo.
O uso de anti-alérgicos na forma de comprimidos muitas vezes também melhora o quadro ocular.
A homeopatia e a acunpuntura também são duas boas opções para o tratamento da alergia.



Para saber mais o que causa, quais os tipos e como evitar a alergia nos olhos, leia o texto abaixo

A maneira correta de pingar os colírios, você descobre lendo o texto abaixo

domingo, 11 de março de 2012

Qual o melhor óculos multifocal ?

Grande parte das pessoas acima de 40 anos necessita usar óculos para longe e para perto e os óculos multifocais são a principal opção para essas pessoas.
Mas depois de sair do consultório do oftalmologista e chegar na ótica surgem várias dúvidas:

Qual a melhor marca de óculos multifocal?
Qual o preço de um óculos multifocal ?
Precisa ter antirreflexo?
Essa lente arranha fácil?
É bom colocar lentes fotocromáticas ? (lente que escurece sozinha)
Qual a armação de óculos correta para o meu rosto?

Vamos tentar ajudar um pouco:


1 - Qual a melhor marca de óculos multifocal?
Existem várias marcas boas de lentes de óculos. Todas elas fazem lentes simples e lentes multifocais. Podemos citar a Essilor (fabricante das lentes Varilux), a Hoya, marca japonesa fabricante da linha multifocal Hoyalux e as marcas alemãs Zeiss e Rodenstock. Todas são marcas tradicionais, com garantia e assistência para eventuais correções. 
Diferença de visão entre 2 lentes multifocais
As lentes "top de linha" hoje são as lentes chamadas personalizadas ou individuais. São lentes fornecem uma excelente qualidade para todas as distâncias por possuírem menor zona de aberração periférica.

Com isso elas aumentam o campo de visão útil e diminuem a distorção das imagens em algumas situações, como por exemplo descer escadas.
Perceba diferença de distorção da imagem entre as duas lentes multifocais acima
2- Quanto custa um óculos multifocal? 
Como toda mercadoria, o preço de óculos multifocal varia muito. Varia de ótica para ótica e de fabricante para fabricante. A varilux e a hoya possuem uma linha mais barata (chamada espace e argos respectivamente) até lentes de ponta com um custo bem mais alto. Outras marcas menos famosas possuem lentes de óculos multifocal mais baratas. O preço pode variar de 300 até 2000 reais! Mas lembre-se, o barato as vezes sai caro.


3 - Vale a pena usar lentes antirreflexo ?
Sim, vale a pena. As lentes de óculos com tratamento antirreflexo, além de melhorar a parte estética (quem olhar para você, verá o seu olho e não o reflexo dos objetos), aumenta o conforto no momento de trabalhar no computador (reduz o cansaço causado pelo brilho da tela) e melhora a visão ao dirigir a noite (por diminuir os reflexos dos postes de luz e dos faróis dos outros carros).
Lente de óculos com antirreflexo
4 - As lentes de óculos com antirreflexo arranham fácil ?
As lentes com tratamento antirreflexo podem ser mais facéis de sujar e arranham com mais facilidade. É importante usar um bom tratamento antirreflexo e limpar as lentes da maneira correta para isso não ocorrer.
Quando o tratamento antirreflexo é aplicado sobre a lente (como se fosse uma película) ele pode com o tempo descascar ou manchar. Por isso, os antirreflexos mais modernos já são feitos incorporados as lentes do óculos no momento da fabricação da lente e não colocados como uma película depois que a lente já está pronta. Procure por esse tipo de lente ao ir na ótica.

5 - Vale a pena colocar lentes fotocromáticas ?
O usuário de óculos multifocal tem uma dificuldade na hora de usar óculos escuros. Usar um óculos escuros comum sem grau não vai lhe dar um visão boa. Mandar fazer um outro óculos escuros com grau multifocal fica caro demais (se 1 óculos multifocal já é caro, fazer 2 então...).




Então qual a solução? Usar óculos com lentes fotocromáticas (fotossensíveis). Essas lentes ficam totalmente transparentes em ambientes internos ou em ambientes com pouca luz (a noite por exemplo) e escurecem gradativamente de acordo com a iluminação do ambiente.
As lentes fotocromáticas mais modernas fazem essa mudança de tonalidade relativamente rápido e escurecem o suficiente para ser confortável até na praia.
6 - Qual a armação correta para o meu óculos multifocal e para o meu rosto ?
Para os óculos multifocais é importante que antes da parte estética, o usuário pense primeiro na parte funcional ao escolher sua armação de óculos. Armações muito pequenas por exemplo podem reduzir muito o campo de visão e atrapalhar a adaptação. Escolha armações com altura mínima de 14 mm. As armações de óculos sem aro (aquelas com parafuso prendendo as lentes, como mostrado abaixo) estão muito em moda e são bem leves e confortáveis. No entanto, são mais fáceis de entortar e sair do eixo. Isso atrapalhará a visão com lentes multifocais. Se optar por essa armação cuidado para não entorta-las.



Para saber qual a armação correta para o seu formato de rosto, leia o texto abaixo

Está com dificuldade para se adaptar aos óculos multifocais? Aqui tem dicas para uma boa adaptação

Conheça as novidades em óculos multifocais. As lentes multifocais mais modernas

domingo, 22 de janeiro de 2012

Transplante de Córnea a Laser

Você sabia que já é possível fazer a cirurgia de transplante de córnea a laser? Um novo tipo de laser chamado laser femtosecond (ou laser de femtosegundo) vem revolucionando algumas cirurgias oftalmológicas, especialmente a de transplante de córnea, a cirurgia refrativa (cirurgia de miopia), a cirurgia de implante do anel de ferrara e a cirurgia de catarata.




Transplante de córnea a laser

Qual a diferença do transplante de córnea a laser do transplante de córnea convencional (ou manual)?

No transplante de córnea convencional, tanto a córnea doadora quanto a córnea do olho do paciente (córnea receptora) são cortadas manualmente com lâminas de metal, um instrumento chamado trépano.
Trépano para transplante de córnea manual
Já com o intralase (ou laser de femtosecond), o corte das duas córneas (a córnea receptora e a córnea doadora) são feitas com o laser. Ou seja, substitui-se a lâmina de metal do trépano pelo laser.

Laser de femtosecond cortando a córnea
Embora as lâminas do trépano sejam bem afiadas e os cortes em geral sejam bem feitos, o corte feito pelo laser é bem mais preciso. Além disso, o laser permite que o cirurgião faça cortes de formas variadas nas córneas, aumentando a área de contato entre elas e com isso dando maior estabilidade a cirurgia.

Transplante de córnea com Laser X transplante de córnea manual (convencional)

Existem algumas vantagens na realização do transplante de córnea com laser:


  • A cirurgia é mais rápida: Com o preparo da córnea com o laser ao invés da lâmina do trépano, a duração da cirurgia é menor e isso pode resultar em menor chance de infecções hospitalares.

  • Utiliza-se menos pontos: Com o laser de femtosecond, a quantidade de pontos também pode ser menor. Na técnica convencional normalmente usamos 16 ou 24 pontos e na técnica com intralase, pode-se usar até 8 pontos somente. Esses pontos também podem ser retirados antes do que na técnica manual.

  • O astigmatismo depois da cirurgia costuma ser menor: Com o corte mais preciso, uma aderência maior entre as córneas e uma menor quantidade de pontos utilizada, o astigmatismo depois da cirurgia costuma ser menor na técnica a laser. Como resultado disso, o grau de óculos a ser usado depois da cirurgia é menor.

  • No transplante a laser, existe uma maior aderência entre as córneas doada e receptora e com isso maior resistência a traumas. O laser femtosecond permite que o cirurgião corte a córnea de formas diferentes da convencional, o que aumenta a segurança e estabilidade da córnea no pós operatório.
Formas variadas em que a córnea pode ser cortada com o laser
Foto microscópica mostrando a precisão do corte da córnea a laser
Quem pode fazer o  transplante de córnea a laser?

Qualquer pessoa com indicação de transplante de córnea pode usar a técnica a laser, ou seja, pessoas com ceratocone, degeneração marginal pelúcida, ectasia pós lasik, distrofia de fuchs, ceratopatia bolhosa, opacidade de córnea dentre outras causas. 

Qual a melhor opção: Fazer o transplante de córnea com laser ou transplante de córnea manual?


Apesar de todos os benefícios relatados acima, um cirurgião experiente, usando uma córnea boa (bem preparada pelo banco de olhos) é capaz de fazer uma cirurgia convencional tão boa quanto um laser. No entanto, o uso do laser de femtosecond traz muitas vantagens e com o aprimoramento dos aparelhos e dos cirurgiões, não temos dúvida que essa técnica de transplante de córnea a laser vai aposentar as técnicas manuais dentro de alguns anos.

Quanto custa o transplante de córnea a laser?

O grande problema de fazer o transplante de córnea a laser (com o femtosecond) é o custo. Os aparelhos são muito caros, a tecnologia é nova, são poucos os hospitais que tem esse aparelho no Brasil, poucos médicos estão habilitados a operar com esse equipamento... isso tudo acarreta em um custo elevado.

O laser de femtosecond pode ser usado em quais cirurgias?

Além do transplante de córnea, o laser de femtosegundo (ou femtosecond) é usado em cirurgias refrativas (cirurgias de miopia ou hipermetropia pela técnica Lasik), na cirurgia de implante de anel intracorneano para ceratocone (anel de ferrara) e até na cirurgia de catarata.


Para saber mais sobre como é a Cirurgia do Transplante de Córnea, leia esse texto abaixo
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/05/transplante-de-cornea-como-e-cirurgia.html 


Saiba mais sobre a cirurgia de Crosslink para Ceratocone
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/05/crosslinking-de-cornea-para-ceratocone.html 



Saiba mais sobre Anel de Ferrara para Ceratocone, lendo o texto http://www.medicodeolhos.com.br/2011/06/anel-de-ferrara-para-ceratocone.html





quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Cirurgia de Buraco Macular

Como visto anteriormente, o buraco macular é uma doença que pode afetar de forma importante a visão e o seu tratamento é a cirurgia. Nesse texto, explicaremos como é a cirurgia do buraco macular, seus riscos e complicações.

Buraco macular em vários estágios
A última imagem (E) mostra a cura obtida após a cirurgia

Como é a cirurgia do buraco macular ?
A cirurgia para correção do buraco macular se chama vitrectomia via pars plana (VVPP) com colocação de gás e retirada da membrana limitante interna (ou peeling de membrana).
Não entendeu? Vamos tentar explicar.
Na cirurgia, o médico vai retirar o vítreo que é o gel que preenche o interior do nosso olho. Esse vítreo tem trações que causaram o buraco e por isso precisa ser retirado.
Para ajudar a fechar o buraco o médico retira uma membrana chamada membrana limitante interna da retina em toda a região posterior. Esta membrana é uma película muito fina (dez vezes mais fina que um fio de cabelo) e essa é uma das etapas mais difíceis e importantes da cirurgia.
Cirurgia de buraco macular mostrando a retirada da membrana limitante interna
Depois ele vai colocar um gás chamado perfluor que vai “empurrar” os bordos do buraco um de encontro  ao outro. O gás tem como objetivo, ajudar no fechamento do buraco macular, contudo o paciente tem que assumir a posição de estar sempre olhando para baixo (para o chão) para que o efeito do gás seja máximo. Esta posição terá que ser mantida por aproximadamente 3 a 10 dias. O tempo total que o gás leva para ser reabsorvido é de 30 a 60 dias.
Gás dentro do olho depois da vitrectomia
Importante: O paciente que colocou o gás dentro do olho, está terminantemente proibido de viajar de avião ou ir para altas altitudes (cidades de serra por exemplo) pois o gás tende a expandir e elevar a pressão do olho a níveis preocupantes. Essa restrição dura entre 3 e 10 dias, aproximadamente.

E se eu não puder manter a posição correta da cabeça?
Pessoas que terão dificuldade de ficar olhando para baixo no pós-operatório devem discutir isso bem com o médico antes de operar. A chance da cirurgia dar certo depende de manter essa posição. Apesar da posição ser chata é possível adaptar a vida e fazer várias coisas.
posição ideal da cabeça depois da cirurgia de buraco macular
Qual a chance da cirurgia dar certo?
Isso vai depender da causa, do tamanho e de quanto tempo a pessoa tem o buraco na mácula.
Os buracos maculares devido a edema macular crônico, como ocorre na diabetes ou nas tromboses vasculares da retina costumam ter um resultado pior.
Já os buracos maculares de causa traumática podem fechar espontaneamente entre quatro e seis semanas e por isso recomenda-se um longo período de observação, antes de indicar a cirurgia.
O tempo de existência do buraco parece não ser um fator determinante tão importante mas alguns estudos mostram que casos operados mais cedo tem maior recuperação da visão.
Em termos gerais, um caso de buraco macular sem outras complicações e operado por um bom cirurgião de retina, tem chance de cura de 90%

Eu tive buraco macular em um olho. O meu outro olho também pode desenvolver buraco macular?
Sim. Quem teve buraco de mácula em um olho, tem um risco de 10 a 15% de também desenvolver essa doença no outro olho. Logo, um acompanhamento oftalmológico é fundamental.


Quais os riscos da cirurgia de buraco macular?
Basicamente são os riscos de qualquer vitrectomia ou cirurgia de retina.
Ou seja, a formação de catarata, o aumento da pressão ocular e o risco de ter um descolamento de retina. Na cirurgia de buraco de mácula, o risco de uma complicação como o descolamento da retina varia entre 1,8% e 14%.

Saiba mais sobre o descolamento de retina e seu tratamento

Voce vê pontos pretos flutuando na sua visão? Então leia o texto sobre moscas volantes e descolamento do vítreo

Buraco macular: o que é e como tratar

Buraco macular ou buraco da mácula é uma doença rara, pouco comum mas que pode causar uma importante baixa de visão. Ela acomete a retina que é a parte mais interna do olho e normalmente precisa de cirurgia.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Saiba tudo sobre Retinoblastoma

Exame de fundo de olho

Retinoblastoma é o tumor ocular (câncer) mais comum em crianças. Pode acometer um ou os dois olhos, tanto meninos quanto meninas e sem predileção por cor ou raça.
O tumor pode ocorrer em crianças recém-nascidas ou até em crianças acima de 7 anos, porém a maioria dos casos é diagnosticado por volta dos 2 anos e meio a 3 anos.

O retinoblastoma é um tumor que surge na retina. A retina é uma fina camada composta por células nervosas que reveste o olho por dentro. A retina é um tecido fundamental no complexo processo da visão.
retina normal

retina com retinoblastoma

Como se pega retinoblastoma?
O retinoblastoma não se pega. A criança já nasce com ele ou desenvolve nos primeiros anos de vida. Não é uma doença que se pega de alguém ou através de alguma bactéria ou vírus.

O que causa o retinoblastoma?
Como todo tumor, o retinoblastoma ocorre por uma alteração nos cromossomos das células, nesse caso das células da retina. Ou seja, é um defeito genético. Atualmente, acredita-se que o defeito cromossômico do retinoblastoma está no cromossomo 13

O retinoblastoma acomete os 2 olhos?
A maioria dos casos (75%) só ocorre em um dos olhos. Em 25% dos pacientes, o tumor acomete ambos os olhos.

O retinoblastoma é hereditário?
A maioria das crianças com retinoblastoma, cerca de 90%, não tem nenhum caso desse tumor na família porém sabe-se que o fato de ter alguém na família com retinoblastoma aumenta as chances da criança apresentar esse problema. Apenas 10% das crianças com retinoblastoma tem algum caso parecido na família. Quando o retinoblastoma é hereditário, tem mais chance de acometer os 2 olhos.
Os irmãos de uma criança com retinoblastoma devem realizar exames oftalmológicos regulares pois correm maior risco de desenvolver essa doença.

Quais os sintomas do retinoblastoma?
O sintoma ocular mais comum do retinoblastoma é a leucocoria, ou seja, a “mancha branca” na pupila. Isso é o contrário da pupila normal (preta) ou do reflexo vermelho quando incide luz diretamente na pupila. Essa mancha branca pode ser notada pelos pais ou pelo pediatra, ou por qualquer pessoa que conviva com a criança.
Atenção: Nem todo caso de leucocoria é retinoblastoma! 
Outros sintomas comuns são: estrabismo (vesgo), pode ocorrer inflamação do olho, com vermelhidão e inchaço. A visão também está prejudicada, porém é difícil medir a visão em crianças pequenas.
Retinoblastoma
Existe cura para o Retinoblastoma?
Sim. Em condições boas de tratamento (ou seja, hospital com recursos, médicos experientes e diagnóstico precoce), a chance de cura pode chegar a 95%. E esses pacientes ficam com a visão próxima de 100% em grande número dos casos.

A importância do teste do olhinho ou teste do reflexo vermelho
Toda criança recém nascida deve realizar o teste do olhinho ainda na maternidade. Nesse teste, que é muito simples e pode ser realizado pelo próprio pediatra, verifica-se a presença do reflexo vermelho após incidir uma luz na direção da pupila da criança. Qualquer anormalidade nesse exame, levanta a suspeita de uma doença ocular e o oftalmologista deve ser imediatamente consultado. Não é só o retinoblastoma que pode ser detectado nesse exame mas também catarata congênita, opacidades na córnea, infecções etc...
Reflexo alterado no olho direito e normal no esquerdo
 Uma fotografia pode salvar vidas
Ás vezes, a suspeita de um câncer nos olhos é levantada ao se examinar fotografias das crianças e perceber a diferença de cor entre o reflexo de um olho e o outro.
A atriz Ana Paula Arósio gravou um vídeo alertando sobre isso. Veja. O vídeo é curto e interessante.


Como é feito o diagnóstico de retinoblastoma?
Uma vez levantada a suspeita de retinoblastoma, o médico oftalmologista irá realizar alguns exames para confirmar o diagnóstico:
 - Mapeamento de retina ou exame de fundo de olho: Nesse exame, após dilatar a pupila, o médico examina o olho da criança com uma lente especial e visualiza o tumor, podendo avaliar o tamanho e se há comprometimento  de outras estruturas do olho.
- Ultrassonografia ocular ou ecografia: É o exame de ultrassom. Esse exame é fundamental para avaliar o tamanho do tumor e se há descolamento da retina ou comprometimento de outras estruturas, como o nervo óptico por exemplo.
Em crianças pequenas as vezes é necessário fazer esses exames com a criança sedada ou com anestesia geral.
- Tomografia computadorizada e ressonância magnética também podem auxiliar o diagnóstico, principalmente para avaliar a presença de metástases.

É preciso fazer biópsia para o diagnóstico do retinoblastoma?
Raramente os médicos vão precisar de uma biópsia para fazer o diagnóstico e começar o tratamento. Geralmente a biópsia só é feita quando é necessário alguma cirurgia para remoção do tumor.

Meu filho tem retinoblastoma. Qual médico eu devo procurar ?
Crianças com retinoblastoma ou qualquer outro tipo de câncer nos olhos devem ser acompanhadas por um oftalmologista junto com um oncologista pediátrico.

Tratamento do Retinoblastoma
O tratamento do retinoblastoma mudou muito nos últimos anos e é uma verdadeira história de sucesso da medicina moderna. Então, qual o melhor tratamento para o Retinoblastoma ?
O tipo de tratamento a ser feito vai ser único para cada paciente e vai depender da idade da criança, se é uni ou bilateral (ou seja, se acomete 1 ou os 2 olhos), do tamanho do tumor e se ele atinge outras partes do olho ou até mesmo outros órgãos fora do olho.
Os objetivos do tratamento são: primeiro salvar a vida da criança, depois preservar a visão e por último preservar a aparência estética do olho.

Ultrassom antes e depois de um tratamento bem sucedido de retinoblastoma
Os tipos de tratamento existentes são:

- Radioterapia externa: O retinoblastoma responde bem a radioterapia e esse é um tratamento que tenta preservar a visão. A radioterapia é aplicada durante 3 a 4 semanas e o paciente não precisa ficar internado. Ele pode ir no hospital todos os dias, fazer a radioterapia e voltar para casa.
Algumas complicações da radioterapia são a formação de catarata, de retinopatia (sangramentos na retina) e lesões nos ossos da calota craniana.
- Braquiterapia ou radioterapia com placas:
Nesse tipo de radioterapia são implantadas placas no olho da criança que emitem a radiação. Após alguns dias, essa placa é retirada. Durante o tratamento a criança precisa ficar internada. As complicações são semelhantes a da radioterapia externa.
- Laser fotocoagulação
Nesse tratamento, o oftalmologista emite um laser diretamente no tumor. Para casos de retinoblastoma pequeno é uma ótima opção. Além disso, a fotocoagulação com laser pode ser feita em combinação com outros tipos de tratamento como a radioterapia por exemplo.
- Crioterapia
Nesse tipo de tratamento, uma sonda faz um congelamento do tumor, ajudando a matar as células cancerosas e reduzir o tamanho da lesão. Também só é válido para tumores pequenos e precisa ser repetido algumas vezes
- Quimioterapia
No retinoblastoma, a quimioterapia pretende fazer o que chamamos de quimiorredução, ou seja, reduzir o tamanho do tumor com os medicamentos quimioterápicos. Esse medicamentos são injetados na veia da criança e vão atingir o tumor através da corrente sanguínea. Dependendo do tipo de quimioterapia a criança pode ficar internada no hospital ou não.
Após conseguir reduzir o tumor com a quimioterapia, podemos usar o tratamento com laser, com crioterapia ou com placas de radioterapia para ajudar a eliminar o tumor
- Enucleação: É a retirada cirúrgica de todo o globo ocular. Remover o globo ocular é a maneira mais segura de remover todo o câncer e salvar a vida da criança. Após essa cirrugia, é possível o implante de uma prótese para preservar a aparência da criança. As próteses modernas são tão bem feitas que quase não dá para perceber a diferença de um olho verdadeiro.

Qual o prognóstico de uma criança com retinoblastoma?
Atualmente o prognóstico de uma criança com retinoblastoma é muito bom. A grande maioria desses pacientes sobrevive e leva uma vida normal.
Nos casos em que o tumor só acomete um dos olhos (que é a maioria dos pacientes), o olho não afetado funciona normalmente e mesmo quando o olho doente precisa ser removido, o outro olho consegue dar uma visão que não restringe a criança em praticamente nada. Elas vão poder praticar esportes, brincar e estudar como qualquer outra criança.
Mesmo as crianças com retinoblastoma nos 2 olhos, conseguem manter uma boa visão em pelo menos um dos olhos.
O acompanhamento com o oftalmologista e com o oncologista pediátrico é muito importante e deverá ser feito por um longo tempo, tanto pelo risco do tumor no olho voltar quanto pelo risco de desenvolver outro tipo de tumor em outros órgãos do corpo. Além disso, é preciso avaliar o surgimento de catarata ou outras alterações oculares decorrentes do tratamento.

Saiba mais sobre o teste do reflexo vermelho e as causas de leucocoria, lendo o texto abaixo
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/11/teste-do-olhinho-reflexo-vermelho.html

Esse é um portal estrangeiro com ótimos textos sobre o assunto, inclusive com um guia para os pais
http://www.retinoblastoma.com 

Lente de Contato para Ceratocone. Qual a melhor?

Ceratocone é uma doença aonde a córnea sofre uma modificação na sua forma. A córnea fica pontuda ou em forma de cone (daí o nome ceratocone). Isso além de atrapalhar a visão dificulta a adaptação das lentes de contato.
Para saber mais sobre o ceratocone, leia esse texto abaixo
Córnea pontuda em paciente com ceratocone
As lentes de contato tem um papel muito importante no tratamento de ceratocone. A maioria dos pacientes com ceratocone não consegue uma boa visão com os óculos e nesse caso são as lentes de contato que darão uma visão nítida para essas pessoas.

Porque o paciente com ceratocone enxerga melhor com as lentes de contato do que com os óculos?

No ceratocone, as irregularidades da córnea distorcem os raios de luz que chegam ao olho. Os óculos até corrigem o grau mas não corrigem as irregularidades da córnea. Já as lentes de contato rígidas corrigem e regularizam a córnea, diminuindo as distorções da imagem e proporcionando uma visão nítida.
Distorções da imagem no ceratocone SEM lente de contato
(perceba como os raios de luz entram no olho de forma irregular) 
A lente de contato diminui as distorções da imagem
(perceba como os raios de luz entram no olho de forma regular)
Então, qual a melhor lente para quem tem Ceratocone?

Antes de tudo é preciso dizer que, não existe um tipo de lente de contato ideal para todos os casos de ceratocone. A escolha da lente ideal vai depender do tamanho do ceratocone e da localização do ceratocone (no centro da córnea ou na parte inferior). Cada pessoa com ceratocone deve ser cuidadosamente avaliada para identificarmos o tipo de lente certa para proporcionar a melhor visão possível, um conforto adequado e evitar uma piora na evolução do ceratocone. Uma boa adaptação com as lentes de contato é a junção de conforto e boa visão.
O exame mais importante para determinar a lente certa para o ceratocone é a topografia de córnea.
Topografia de córnea mostrando um ceratocone na parte inferior

  • Lente de contato gelatinosa comum
O papel da lente de contato gelatinosa no ceratocone é limitado. Isso ocorre porque essa lente assume a mesma curvatura (e as irregularidades) da córnea da pessoa (no caso o ceratocone) e então não consegue regularizar a curvatura da córnea de modo a proporcionar uma boa visão.

  • Lentes de contato gelatinosas para ceratocone
São lentes de contato gelatinosas mais espessas do que as gelatinosas comuns e apresentam o desenho de dupla curvatura com uma curvatura central maior do que a periférica. São exemplos dessa lente a Perfect Keratoconus e a optogel Duplaface para Ceratocone. Embora nem sempre a visão conseguida com essas lentes atinja 100% da visão (e geralmente fique abaixo da visão conseguida com as lentes rígidas), essas lentes são mais confortáveis e bem toleradas pelos pacientes. São portanto boas opções ao paciente que não tolera a lente rígida.


As lentes gelatinosas específicas para o ceratocone normalmente tem um DK baixo, ou seja, não permitem uma boa oxigenação da córnea. Por isso essas lentes não devem ser utilizadas por muitas horas seguidas.

  • Lentes de contato rígidas gás permeavéis (LC RGP) - Lentes Fluorcarbonadas
Essas são as lentes mais indicadas para o ceratocone. A superfície regular e rígida dessas lentes junto com a lágrima que se acumula entre a lente e a córnea regularizam a superfície do olho causando uma visão mais nítida. O problema dessa lente é que ela pode ser mais incomoda do que a gelatinosa. Essas lentes podem ser de material siliconado, fluorcarbonada, Boston XO entre outros.


LC RGP esférica ou monocurva: a curvatura interna da lente é igual em toda a sua superfície. É boa para casos de ceratocone leve a moderado. 

LC RGP assférica: semelhante a anterior apenas difere no fato da sua curva central ser mais acentuada do que a periférica. Teoricamente te uma qualidade de imagen superior.
LC RGP dupla face ou bicurva: tem 2 curvas bem definidas. Uma central mais acentuada e outra periférica 
mais plana e por isso se adaptam melhor ao ceratocone.
LC rígida com dupla curva para ceratocone

  • Lentes de contato rígidas gás permeavéis específicas para Ceratocone
Em casos moderados a avançados de ceratocone, mesmo as lentes rígidas não conseguem regularizar a córnea. Além disso, as lentes podem sair ou "pular" do olho facilmente. A lente também pode "tocar" a ponta do cone e isso agrava a evolução da doença.

Pensando nesses casos, vários modelos de lente de contato RGP especificas para ceratocone foram lançadas nos últimos anos seguindo a regra da lente bicurva. Dentre elas estão as lentes rose-K, soper, Ultracone entre outras. A lente Ultracone é uma lente Soper modificada, que recebeu ao longo do tempo inúmeras modificações e aperfeiçoamentos de forma que sua performance melhorasse.

  • Lentes de contato híbridas

Nessas lentes o centro da lente é rígida contornando o problema da curvatura da córnea do paciente e a periferia da lente é gelatinosa dando um conforto ao usuário. Portanto ela une as vantagens visuais da lente rígida com o conforto das lentes gelatinosas.

São exemplos dessas lentes a softperm, Clearkone, SynergEyes A

  • Lente de contato em Piggyback ou em Cavaleiro
O piggyback consiste em adaptar uma combinação de lentes, ou seja, uma lente gelatinosa embaixo e uma lente rígida por cima. Suas funções são aliviar o desconforto, melhorar o posicionamento e auxiliar a estabilidade da lente rígida,. A adaptação de lentes com essa técnica requer experiência do adaptador e tolerância por parte do paciente com ceratocone, mas pode ser uma ótima opção para alguns casos.
  • Lentes de contato esclerais ou semiesclerais
Essas lentes que foram desenvolvidas há muitos anos e cairam em desuso, retornando com força nos últimos anos devido ao sucesso em casos de ceratocone e ao uso de materiais de altíssima permeabilidade ao oxigênio. São ótimas opções para casos mais avançados de ceratocone.



E lembre -se: Uma lente mal adaptada ou de má qualidade pode causar erosão de córnea, ceratite e hidropsia de córnea, seguida de opacidades, edema e infecções oculares, especialmente em pessoas com ceratocone.
Por isso, só faça adaptação dessas lentes com médicos oftalmologistas, experientes no uso de lentes de contato.

Para saber mais sobre o Crosslinking de Córnea, leia esse texto sobre esse novo tratamento para o Ceratocone:
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/05/crosslinking-de-cornea-para-ceratocone.html

Saiba mais sobre Anel de Ferrara, um tratamento para o ceratocone
http://www.medicodeolhos.com.br/2011/06/anel-de-ferrara-para-ceratocone.html

Quer saber mais sobre lente de contato? 
http://www.medicodeolhos.com.br/2010/04/lentes-de-contato-tipos-modos-de-usar-e.html